Como Criar
Publicado 2015-03-06
Como Criar


Tilápia

O apelo de carne saudável e a facilidade nos tratos fazem da espécie uma boa pedida para quem tem interesse em ingressar na piscicultura 

Texto João Mathias
Consultor Jorge Meneses*

A tilápia se adaptou tão bem às águas brasileiras que muita gente se esquece que ela é exótica. O peixe de água doce é originário do rio Nilo, mas teve seu cultivo iniciado no Quênia, na década de 1920. A partir dos anos 50, ganhou força na criação comercial, ficando atrás só da carpa como espécie de peixe mais explorada em todo o mundo.

No Brasil, a criação do peixe em lagoas, açudes e represas tem se destacado na piscicultura. Fáceis de alimentar, resistentes a doenças e boas reprodutoras, as tilápias logo se tornam negócio rentável. Toleram bem grandes variações de temperatura e água com pouco oxigênio dissolvido.

Criadas sozinhas no tanque, podem alcançar produtividade de cinco toneladas por hectare ao ano. Com incremento de investimentos em tecnologia, pode-se chegar a 50 toneladas por hectare. No estado de São Paulo, por exemplo, o quilo é vendido, em média, por 3,50 reais.

 
 

Por ter carne saborosa, com pouco espinho, baixo teor de gordura - na proporção de 0,9 grama para cada 100 gramas - e de calorias, a aceitação pelos brasileiros foi rápida. Os norte-americanos também gostam tanto que são os principais compradores da tilápia nacional.

Além da carne, a pele é também um produto de valor comercial. Aliás, bastante valorizado, sobretudo no exterior: curtida e transformada em couro, o metro quadrado chega a ser vendido por 70 dólares. Outros subprodutos, como carcaça, vísceras, rabo e escamas, podem servir como adubo para plantações ou entrar na composição de rações para diferentes tipos de peixes e animais.

O comprimento médio da tilápia é de cerca de 20 centímetros, mas pode chegar a 40 centímetros ao longo dos anos. É um peixe de escamas, com corpo um pouco alongado e com centenas de espécies.

No Brasil existem três espécies de tilápia: a do nilo ou nilótica, que pode pesar até cinco quilos; rendali, com um quilo; e zanzibar, variedade desenvolvida em Israel. A nilótica é a mais indicada para a criação em pesqueiros.

http://revistagloborural.globo.com/GloboRural/0,6993,EEC1533300-4530,00.html

 
Receita Tilápia Assada
Publicado 2015-03-01

 

INGREDIENTES

  • Tempo de preparo1h 00min
  • Rendimento2 porções
  • 1 tilápia
  • Suco de um limão
  • 1 tomate maduro cortado em rodelas
  • 1 cebola picada em rodelas
  • tempero a gosto
  • azeite
  • 2 batatas médias
  • salsa desidratada

MODO DE PREPARO

  1. Coloque o peixe em um tabuleiro forrado com papel alumínio
  2. Lave bem o peixe com o suco do limão
  3. Tempere-o por dentro e por fora com seu tempero preferido
  4. Eu usei tempero de alho e sal
  5. Banhe-o com bastante azeite
  6. Coloque as rodelas de batata, a cebola e o tomate ao redor do peixe
  7. Salpique a salsa nas batatas e cubra o peixe com as duas abas do papel alumínio
  8. Asse o peixe em forno preaquecido em 200°C durante 30 minutos
  9. Descubra-o e asse por mais 20 minutos, aproximadamente, ou até secar um pouco
  10. a água
  11. Regue com o líquido para ficar tenro e apetitoso
  12. Sirva com arroz branco e salada verde
 
DICAS DE ALIMENTAÇÃO NA PISCICULTURA
Publicado 2015-01-07

 

 
 
DICAS DE ALIMENTAÇÃO NA PISCICULTURA

Na piscicultura, uma das principais atividades é o fornecimento de alimentos. Considerar alguns fatores como: a qualidade e tipo das rações, qualidade da água, horário e frequência de arraçoamento certamente tornarão a atividade mais eficiente, visto que, a alimentação pode representar até 80% dos custos de produção.

Não apenas por aumentar a rentabilidade da produção, mas contribuir para redução do impacto de efluentes através do aumento da eficiência alimentar, fornecendo ou complementando os nutrientes essenciais aos processos fisiológicos e metabólicos normais dos peixes. Com a disponibilidade de alimento natural em condições ideais, os peixes raramente apresentação alguma deficiência nutricional, mas para acelerar o crescimento, aproveitar melhor o potencial produtivo e a produtividade dos sistemas utilizamos as rações.

As rações devem ser adequadas às espécies do cultivo, seus hábitos, suas exigências nutricionais, fases de desenvolvimento e sistema de produção empregado. Uma dieta mal balanceada, pobre nutricionalmente ou que promova intoxicações resultará em debilidade física e enfermidades. Os peixes regulam a saciedade pela quantidade de energia da dieta, e esta pode ser alcançada sem o consumo de nutrientes necessário. Substituir rações adequadas por outros alimentos alternativos afetarão seriamente o desempenho dos peixes. Não exceda os limites recomendados, jogar mais ração em menos tempo não quer dizer que seus peixes crescerão mais rápido, você estará perdendo dinheiro e degradando a qualidade da água.

As atividades metabólicas dos peixes estão associadas com a temperatura da água, para todos eles há uma faixa ótima de crescimento. Por não precisarem regular a temperatura corporal necessitam de menos energia que nós, mamíferos. A maior parte da energia é utilizada para o crescimento, explicando a maior exigência de proteínas em comparação aos outros animais. As proteínas que são responsáveis pelo desenvolvimento dos tecidos estruturais, crescimento, reprodução e síntese de hormônios. Algumas rações sugerem tabelas de arraçoamento também em função da temperatura da água. É importante ficar atento as características de cada dia.

Associe bem o horário de alimentação aos níveis de saturação de oxigênio, além da quantidade de compostos nitrogenados no ambiente de cultivo, principalmente a amônia, que tem a toxidade aumentada com o aumento do pH e da temperatura. No final da tarde os níveis de pH estão mais elevados devido a atividade fotossintética. Sem aeração contínua ou suplementar, a atividade fotossintética que regulará a disponibilidade de oxigênio dissolvido na água. A ausência de luz natural impede a ocorrência da atividade, diminuindo os níveis de oxigênio dissolvido através da respiração dos organismos. Baixos níveis de oxigênio afetam o desempenho de crescimento. É prudente diminuir, ou até mesmo suspender a alimentação em dias encobertos.

Lembre-se que os níveis de arraçoamento são afetados por muitas variáveis, até mesmo a habilidade do alimentador em distribuir a ração de forma a diminuir a competição.

Devido as diferenças fisiológicas e anatômicas do trato gastrointestinal as espécies apresentam diferentes capacidades de converter o alimento ingerido em ganho de peso, acentuado por suas fases de desenvolvimento. A capacidade de armazenamento de alimentos no estômago influencia na quantidade de refeições diárias. Utilizar tabelas de arraçoamento mais específicas ajudarão a definir as rotinas de trato.

Nos sistemas de cultivo, se os alimentos fornecidos forem deficientes nutricionalmente ou de baixa qualidade, os sinais negativos aparecem rapidamente, e são inúmeros, relacionados a deficiência de proteínas, carbidratos, lipídios, vitaminas e minerais. Além de componentes tóxicos e antinutricionais, como as micotoxinas. Micotoxinas são um problema comum na utilização de ingredientes vegetais nas rações.

Fique atento a composição das rações, a data de fabricação, a data de validade. Crie as condições ideais de estocagem na sua piscicultura. Nunca considere a possibilidade de que qualquer alimento barato vai reduzir o custo do seu cultivo e aumentar a rentabilidade. Procure usar, durante um ciclo de cultivo, rações de um mesmo fabricante, mas compare outras fabricantes em composição, preço, aspectos físicos, integridade e flutuabilidade. Lembre que o excesso de carbono, nitrogênio e fósforo através da dissolução direta do alimento na água ou através dos metabólitos dos peixes favorecem o afloramento das algas e aceleram a degradação da qualidade da água.



 
Peixes
Publicado 2014-12-01
10 DICAS PARA QUEM QUER SER PISCICULTOR

1 - PLANEJAMENTO FINANCEIRO É FUNDAMENTAL

Os investimentos iniciais dependem diretamente do sistema de produção adotado. Você não deve gastar nada na propriedade antes de ter um estudo básico do seu potencial de produção. Se você não souber como e para onde ir, você nunca chegará lá. Você deve estar preparado para despesas extras e imprevistas.

2 - ORIENTAÇÃO TÉCNICA ESPECIALIZADA É INDISPENSÁVEL

Um Engenheiro de Pesca, especialista, pode dar assessoria nos projetos e acompanhar sua produção. Um projeto procura sistematizar informações, trabalhá-las e analisá-las de tal forma a permitir concluir se determinada decisão de investimento é viável ou não. Um especialista ainda pode capacitar o empreendedor e sua mão-de-obra. Sempre procure um especialista, você até pode fazer tudo sozinho, inclusive errar.

3 - CONHECIMENTO DE MERCADO VAI FAZER TODA DIFERENÇA

Muitos produtores escolhem o que produzir antes de saber se podem ganhar dinheiro com isso. Primeiro você deve buscar informações de quais são as espécies mais adequadas para sua realidade climática e sistema de cultivo e dentre elas aquelas mais rentáveis. Isso feito, você deve saber se haverá compradores interessados em seus volumes de produção, forma de apresentação e preços de comercialização. O artigo QUAIS ESPÉCIES DEVO CRIAR NA MINHA PISCICULTURA? pode esclarecer mais dúvidas a respeito.

4 - FICAR ATENTO ÀS NOVAS OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO É UM DEVER

Devemos analisar o momento atual das atividades e buscar entender quando é a hora de buscar ou não uma nova oportunidade. Os empreendedores que aproveitam as oportunidades da nova economia estão destinados a serem líderes. Elaborar um planejamento estratégico promove a reflexão sobre o posicionamento do negócio no mercado e sua relação com os demais agentes da cadeia produtiva da piscicultura.

5 - RESPONSABILIDADE AMBIENTAL É UMA OBRIGAÇÃO

Assegure-se das normas antes de começar a projetar seu empreendimento. As legislações referentes a responsabilidade ambiental variam de uma bacia hidrográfica para outra, município para município, região para região, etc. Você poderá ser processado, fechar seu empreendimento, ou gastar muito dinheiro em multas para adequar-se às normas. Quem primeiro faz e depois pede regularização não é visto com bons olhos.

6 - MANTER-SE ATUALIZADO TRARÁ MUITOS BENEFÍCIOS

O mercado é implacável se você não se atualiza, você sempre estará competindo com muitos outros. Buscar a informação dos especialistas, poderá poderá dar indícios de como você está sendo visto e o que necessita aprimorar. Muitas instituições oferecem palestras. Se tiver opção de participar de alguma, não perca a oportunidade de se atualizar também desta forma. Mantenha-se atualizado também em relação às notícias, elas podem atuar fortemente em um segmento específico.

7 - PRODUZIR COM QUALIDADE É UMA REGRA BÁSICA, QUALIDADE É INEGOCIÁVEL

A qualidade sanitária do produto, a limpeza geral dos tanques, a boa saúde dos empregados e a qualidade das rações, além de boas instalações e manutenção adequada são fundamentais no cultivo.

8 - SER COMPETITIVO VAI GARANTIR O FUTURO DO SEU EMPREENDIMENTO

Primeiro você tem que aprender a andar para depois correr. Piscicultores inexperientes, tentam recuperar cada centavo investido nos primeiros ciclos de produção, através de altas taxas de povoamento. Não faça isso, a não ser que você possua profissionais qualificados. Além do risco mais elevado, você poderá não ter um produto ou preço competitivos. Dê muita atenção ao marketing, tão logo você instale as unidades produtivas.

9 - "QUANDO O PATRÃO SENTA, O EMPREGADO DEITA"

A prosperidade do negócio depende da atuação dos responsáveis pelo empreendimento, seja o técnico ou o próprio empreendedor. Os responsáveis devem focar sua atuação, criando estratégias de crescimento e definindo processos para que os imprevistos sejam minimizados.

10 - BONS RESULTADOS DEPENDEM DA EXATIDÃO DOS SEUS DADOS

O piscicultor precisa ter informações diretas e precisas sobre o seu negócio para poder tomar as decisões. A medida que o empreendimento se desenvolve é necessário fazer reajustes em diversos itens, taxas de arraçoamento, de sobrevivência, eficiência na conversão alimentar, crescimento diário e uniformidade da população, entre outros fatores.

09/07/2014